Personal tools
You are here: Home Clientes Fundação Editora da Unesp Notícias 2018 06 Artista plástico discute as dobras e as rugas em esculturas ocas

Clientes

Artista plástico discute as dobras e as rugas em esculturas ocas

Jun 25, 2018

Livro explora fronteiras além da arte com o intuito de ampliar determinados conceitos a partir da filosofia, matemática e cosmologia

Dobras, rugas e vazios. É apoiado nestes conceitos que o artista plástico Sérgio Romagnolo constrói pontes conceituais e estéticas entre dobras e rugas em esculturas ocas, sem corpo maciço interno, em seu A dobra e o vazio: questões sobre o Barroco e a arte contemporânea, esculpido como amálgama de sua dissertação de mestrado com a tese de doutorado e que chega como lançamento da Editora Unesp.

O livro explora fronteiras além da arte. “Em certos momentos, a reflexão em arte pode debruçar-se sobre outras áreas do conhecimento, com o intuito de ampliar o instrumental de análise com que trabalha determinados conceitos”, escreve o autor. Filosofia, matemática e cosmologia são algumas ciências tocadas por Romagnolo “no caso da dobra e da ruga, como linguagem decorrente da produção de formas tridimensionais em materiais laminados”.

“Romagnolo não escreveu esse inusitado texto para guia de suas obras”, adverte o doutor em Filosofia pela Universidade de São Paulo Alberto Tassinari, que assina o prefácio e as orelhas do livro. “Partiu delas, mas ganhou autonomia de um texto como se de ficção científica, texto no qual ele “amassa” diferentes disciplinas, autores e até mesmo parágrafos.”

Ao longo de seis capítulos, o autor tece questões sobre o Barroco e a arte contemporânea. No primeiro, explora a visão de Leibniz e de Deleuze sobre como as dobras dos tecidos do vestuário têm alma própria, diretamente vinculada ao indivíduo que as veste; no segundo, percorre a cosmologia e sua estreita relação com as dobras; já no terceiro, traz à tona a ruga primordial de José Resende; no quarto, dedica-se à materialização e desmaterialização das obras de arte, a partir dos anos 1970; no quinto, discute os processos paródicos e alegóricos; e, por fim, no sexto, trata do oco e do vazio, relacionando-os “ao que não está presente” por um caminho  e análise do “seu contrário, o presente, entendido como o estar em um lugar”.

“Aprende-se coisas. Diverte. Sisudo às vezes também. E Aleijadinho, sobre o qual Sérgio Romagnolo amassou dobras e deixou vazios em suas obras, parece-me ser central nesta obra”, anota Tassinari. “Se é que se pode falar em centro num texto em tudo claro nas partes e excêntrico no todo. O barroco de Sérgio Romagnolo.” 

Sobre o autor – Sérgio Romagnolo é artista plástico e possui graduação (1984) em Artes Plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado (Faap). Defendeu o mestrado com a dissertação Esculturas: rugas e alegorias (1999) e concluiu o doutorado com a tese O vazio e o oco na escultura, ambos pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP). Atualmente leciona no Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Escultura e Pintura, atuando principalmente nos seguintes temas: arte, pintura, escultura e objeto.

TítuloA dobra e o vazio: questões sobre o Barroco e a arte contemporânea 
Autor: Sérgio Romagnolo 
Número de páginas: 99
Formato: 14 x 21 cm 
Preço: R$ 38,00 
ISBN: 978-85-393-0732-6

Mais informações sobre os livros publicados pela Editora Unesp estão disponíveis no site: www.editoraunesp.com.br

Document Actions

Assessoria de imprensa da Fundação Editora da Unesp:
Pluricom Comunicação Integrada®
Bianka Saccoman | bianka@pluricom.com.br
Diego Moura | diego@pluricom.com.br
Katia Saisi | katiasaisi@pluricom.com.br
Fone (11) 3774-6463 | pluricom@pluricom.com.br | www.pluricom.com.br
www.twitter.com/pluricom | www.facebook.com/pluricom

pluricom_fb

cadastre-se.gif

Twitter Pluricom