Personal tools
You are here: Home Fórum Mediação e crise do paradigma do jornalismo

Fórum

Mediação e crise do paradigma do jornalismo

Oct 05, 2007

É possível uma prática jornalística polifônica e polissêmica? É o que propõe Carlos Sandano, ao enfatizar a importância do papel do mediador para construção de pontes entre diferentes reali

A crítica da mídia é um aspecto importante dos debates que têm marcado os encontros do Grupo de Estudos da Comunicação na Sociedade do Espetáculo da Faculdade Cásper Líbero, sob a coordenação do Prof. Dr. Cláudio Novaes Pinto Coelho. No primeiro livro resultante do trabalho deste grupo (COELHO, CASTRO, 2006), meu ensaio abordava justamente a informação-mercadoria e a mistura (em doses variáveis de cada elemento) de jornalismo e entretenimento. Agora, pretendo ir um pouco além e pensar o próprio paradigma da objetividade que historicamente norteia a prática jornalística.

Já no final do mencionado ensaio, perguntava “se o que imaginamos como jornalismo continua sendo um conceito cientificamente válido” (Ibid., p.75). Creio que para isso, além da crítica da mídia e da reflexão sobre a necessidade de mudança do paradigma que o orienta, seja necessário também questionar a visão idealizada da Internet como meio que irá provocar inevitavelmente a democratização da comunicação, já que qualquer grupo hoje pode trabalhar informações e reivindicações sem a necessidade de entidades mediadoras tradicionais.

Irei focar a questão a justamente a partir do conceito de mediação, tomando como apoio para a minha reflexão as ações do EZLN no México e o MST aqui no Brasil. E, um pouco na contramão do que tenho lido recentemente, defender a necessidade da presença de mediadores que funcionem como intérpretes de realidades distintas. Digo um pouco na contramão porque persiste uma idealização da Internet como território liberto, espaço em que se efetiva o sonho democrático e por meio do qual é possível abrir trilhas para a redenção dos excluídos da sociedade globalizada.

Castells fala de uma força quase inexorável, em conseqüência da estrutura aberta e em rede da Internet, de democratização e liberdade (Cf. o primeiro capítulo de CASTELLS, 2001 Vol. 1, p. 49 – 87; e também o segundo capítulo de CASTELLS, 2003, p. 36 - 56). Para Reyes Matta (2003), assistimos à formatação de um outro mundo comunicacional que, “instalado en medio de la sociedad civil y conectado a otras entidades similares en el resto del mundo, podía cruzar las fronteras y generar corrientes de opinión que circulaban por circuitos distintos a los creados por los ‘mass-media’ del siglo XX”.

De fato, temos estruturalmente um meio descentralizado e de difícil (senão impossível) controle – e as frustradas tentativas de exercer algum domínio tecnológico sobre o conteúdo que circula nas redes digitais parecerem comprovar tal assertiva [1]. As mídias digitais possibilitam uma comunicação não mais onde poucos falam a muitos (um → todos), mas onde todos falam com todos (todos ↔ todos) e em que ganha importância a interatividade (um-para-o-outro) e a personalização. Amplia-se espacial e temporalmente os locais onde se podem obter informações sobre, virtualmente, qualquer assunto e em vários níveis de profundidade. Sendo um meio aberto e descentralizado, pode proporcionar práticas transformadoras para o “combate no campo da subjetividade” (CANCLINI, 1983, p. 41).

No entanto, é preciso primeiramente redimensionar o otimismo liberal com as transformações geopolíticas e culturais oriundas de reais potencialidades da tecnologia digital, mas não necessariamente efetivadas da maneira como foram idealizadas. Essa idealização levou Albert-László Barabási e Eric Bonabeau a iniciaram uma pesquisa sobre a Web na University of Notre Dame (EUA) esperando encontrar um padrão aleatório, justamente devido à estrutura não hierárquica que permite uma navegação livre, guiada apenas pela diversidade de interesses em uma vasta coleção de documentos. No entanto, suas medições mostraram que “um punhado de páginas extremamente conectadas estão mantendo a coesão da World Wide Web” (BARABÁSI; BONABEAU, 2003, p. 66). Ou seja, no lugar de cacofonia ou polifonia, pólos de atração.

Os cálculos dos pesquisadores indicam que a distribuição dos links segue uma lei exponencial, ou seja, as conexões não formam uma rede aleatória, mas sim uma rede sem escala. E “diferentemente da distribuição democrática dos links nas redes aleatórias, as leis exponenciais descrevem sistemas onde alguns pólos de convergência e irradiação, como Yahoo e Google, predominam” (Ibid., p. 66). Um “processo de vinculação preferencial” que ocorre também em redes sociais (atores de Hollywood, cientistas) e biológicas (rede reguladora de proteínas, metabolismo celular) (Ibid., p. 68).

Segundo Barabási & Bonabeau, apesar da navegação não hierarquizada e da fragmentação e ampliação de fontes sobre virtualmente qualquer assunto e em vários níveis de profundidade, há emissores privilegiados que são mais visitados e citados (maior quantidade de links que remetem a eles), limitando potencialmente a quantidade de vozes que serão efetivamente ouvidas.

Observe-se que o fato destes pólos virtuais se formarem também longe das empresas tradicionais de mídia (entendidas como instrumentos de estocagem e distribuição de informação nesta nova configuração) não leva, per si, a uma mudança de conteúdos. O anuário The state of the news media 2006 registra uma predominância dos portais pertencentes a tradicionais grupos de comunicação (como CNN, New York Times e a agência de notícias Knight Rider) em relação às fontes de notícias. Os pesquisadores do anuário concluem:

A Internet, descobrimos, é uma tecnologia, não um estilo de mídia ou um conjunto de valores ou uma abordagem jornalística [...] Muitos dos mais populares sites também não recebem a devida atenção dos impressos e produtores de conteúdo, especialmente os assim chamados sites "somente Web" que não geram versões em outras mídias. Assim, enquanto a Internet agrega mais distribuidores de informação do que se possa escolher, isso não significa, nosso estudo sugere, que novos tópicos serão adicionados à agenda.

Aqui, cabe lembrar o papel de destaque das agências de notícias como fornecedoras de conteúdo para os portais e da “commoditização” das notícias para os portais. Bustamente (2004, p. 815) fala sobre o aumento “qualitativo” do caráter de “commoditização” vis a vis a internacionalização das indústrias culturais.

Além disso, os grandes portais de acesso igualmente “herdam” a forma de produção de notícias, já que a construção destes espaços se deu por aquisição, por parte das capitalizadas empresas de tecnologias, de estruturas tradicionais (as redações com seus profissionais, ferramental específico e fluxos de trabalho estabelecidos), como fica claro na junção das marcas MS (Microsoft) e NBC.

Mas é preciso salientar que a monopolização crescente e a busca incessante de produtividade não são suficientes para enfrentar as transformações do mercado de informações em um quadro de crise financeira com um decréscimo de leitores e da receita publicitária. E que esta concentração midiática e a configuração em torno de pólos de convergência não colocam em xeque a ubiqüidade da Internet (até mesmo porque um de seus usos mais freqüentes é univocamente ubíquo: o e-mail) ou a sua a potencialidade de ampliação de fontes alternativas.

Dito isso, salientando um contexto onde se destaca a concentração das fontes, lembremos um outro otimismo, o dos que acreditam no mote faça você mesmo a sua mídia e quebre o monopólio da informação”. A insurreição zapatista de 1994 é entendida como um fenômeno social inaugural da nova “Era da Informação”, uma demonstração da capacidade dos meios digitais de difundirem mensagens de contestação a um dos marcos simbólicos da globalização, o NAFTA.

Quando, após a tomada de San Cristóbal de Las Casas (a terceira maior cidade de Chiapas, após Tuxtla Gutiérrez e Tapachula), o governo mexicano coloca 12 mil soldados em Chiapas, a mobilização da sociedade civil cria uma pressão que leva ao armistício, obriga o governo de Salinas a negociar e possibilita ao movimento se tornar um ator de destaque na cena política do país.

Uma questão a ser colocada à partida é quem recebeu os comunicados zapatistas pelos novos meios digitais. Afinal, em 1994, a Internet ainda era restrita a poucos grupos de usuários [2]. Os conectados no Brasil e no México representavam então 0,04% da população. Mesmo nos Estados Unidos, os usuários de Internet eram apenas 4,97 em cada grupo de 100 habitantes. Isso significava um total de 60 mil pessoas no Brasil, 39 mil no México e 13 milhões nos Estados Unidos, sendo a Islândia o país com a maior proporção (6,75%) de pessoas com acesso à Internet na ocasião (ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS). Quando, no dia 11 de fevereiro de 1994, mais de 100 mil pessoas foram às ruas da Cidade do México pedir o fim da ofensiva militar do exército federal em Chiapas (ORTIZ, 1997, p. 182), tal quantidade de manifestantes representava mais que o dobro do total de usuários de Internet no país.

Assim, para a difusão da mensagem foram vitais outros meios de comunicação e diversas redes de solidariedade. Para amplificar a mensagem dos índios chiapanecos, mobilizar parcelas significativas da população mexicana e sensibilizar a opinião pública em outros países torna-se vital a presença de outros canais mediadores, além do EZLN, como as instituições civis e os jornalistas.

Não se trata, portanto, da utilização da tecnologia para interlocução direta entre os índios chiapanecos (ou seus representantes) e a sociedade mexicana ou grupos sociais de outros países, mas de comunicação em sentido complexo, com várias camadas de mediação. Neste processo, surgem novos atores políticos que ganham legitimidade perante a nação mexicana, mas nele se destaca um mediador privilegiado (“tradutor” das palavras indígenas) para as relações comunicacionais com jornalistas e grupos organizados da sociedade civil, que realizarão a mediação de modo mais amplo com outros setores da sociedade.

A necessidade de canais mediadores diversificados está, aliás, no centro da lógica de combate zapatista, que trabalha com a perspectiva midiática para vencer uma batalha que seria inevitavelmente perdida no campo militar, apesar de seu discurso bélico prometer “avanzar hacia la capital del país venciendo al ejército federal mexicano” (EJERCITO ZAPATISTA DE LIBERACIÓN NACIONAL, 1993). Além do uso da Internet e do fax para a transmissão de mensagens, os comunicados zapatistas eram enviados diretamente, a partir de San Cristóbal, aos principais jornais mexicanos, estrangeiros e agências de notícias (ORTIZ, 1997, p. 152).

Esta forma de relacionamento com diversas instâncias mediadoras também foi utilizada com êxito pelo MST [3] no Brasil em 1997, quando cerca de 40 mil sem-terras [4] se dirigiram a Brasília partindo de vários pontos do país, produzindo uma mudança discursiva nos mass media. Com esta ação, “repentinamente, os sem-terra deixaram de ser vistos como um ‘bando de radicais’ e ganharam o status da cidadania de trabalhadores em luta pela Reforma Agrária, num exercício da democracia” (GOHN, 2000, p. 141) [5] .

No caso das ações do EZLN e MST, a Internet surge como uma importante ferramenta facilitadora de contatos (principalmente em relação ao fluxo informativo entre as instituições civis organizadas e entre elas e os jornalistas) entre os movimentos e outras instâncias mediadoras, que, além dos jornalistas e dos veículos tradicionais, incluem também instituições da sociedade civil. E em um mundo no qual a palavra circula instantaneamente em redes comunicativas globais, ou seja, sem limitações territoriais, o papel do mediador é ainda mais importante quando se considera, conforme anota Zucker (1978 [6] apud WOLF, 2003, p. 155) que “quanto menor for a experiência direta das pessoas em relação a uma determinada área temática, mais ela dependerá da mídia para obter as informações e os quadros interpretativos relativos àquela área”. O autor exemplifica: “as pessoas não precisam dos meios de comunicação de massa para experimentar o aumento dos preços. Essas condições, quando existem, invadem a vida cotidiana das pessoas”.

Nesse ponto, a pergunta é se, sendo a Internet uma ferramenta essencial para a vocalização dos que não têm voz, isso dispensa a presença de mediadores? Não pensemos nem mesmo na questão da inclusão digital, tema ainda candente por mais espetacular que tenha sido a penetração da Internet. Ainda que imaginemos uma situação onde todos tenham acesso e possam vocalizar seus desejos, idéias e reivindicações, mesmo assim permanece a necessidade da presença de mediadores para que exista uma comunicação efetiva entre as camadas estratificadas de uma mesma sociedade ou entre diferentes sociedades.

Mas se há esta necessidade, é preciso refletir sobre o papel a ser desempenhado por esse mediador. Ressalto alguns aspectos específicos para em seguida refletir sobre uma nova forma de atuação jornalística.

Em relação ao fluxo de informação na Internet que podemos denominar ciberativismo, há de fato uma quebra em relação ao paradigma da objetividade, essencial ao jornalismo tradicional: sabe-se que não se está observando a realidade de uma forma neutra. Sabe-se e assume-se que a realidade é diferente de acordo com o ponto de observação. É também indiscutível a força dos meios digitais para a mobilização instantânea relativa a eventos pontuais. É, ainda, também uma ferramenta poderosa para denúncias ou manifestos específicos. Mas questões como a reforma agrária brasileira ou a sub-cidadania das populações indígenas na América Latina são mais complexas e exigem um diálogo mais amplo e profundo.

O que se pretende dizer é que não basta que novos pontos de vista, além do jornalismo industrial, sejam agora possíveis. É preciso que exista comunicação entre as esferas da sociedade que geram esses diferentes pontos de vista. Em relação ao jornalismo, para que isso ocorra, é preciso em primeiro lugar quebrar com o paradigma e com a retórica da objetividade. Há sim que se dar destaque para o empirismo, mas sem que isso resulte em uma primazia dos fatos.

Assumindo-se que não há uma posição neutra, é então o momento de se mergulhar nessa realidade tendo consciência da existência desses múltiplos pontos de vista envolvidos. É realizar aquilo que Cremilda Medina chama de narrativas da contemporaneidade: uma “narrativa dos fatos contemporâneos que ensaie, ao mesmo tempo, a polifonia e a polissemia do presente, o enraizamento na história, na cultura e nas identidades míticas, bem como a enunciação de tendências projetivas” (MEDINA, 1999, p. 86).

Não é apenas uma questão de fornecer acesso a indígenas e camponeses – ou a outras culturas latino-americanas sufocadas pelas afirmações de identidade nacionais e marginalizadas pela estrutura econômica – para que eles próprios possam vocalizar suas questões e serem ouvidos. As classes populares não irão irromper revolucionariamente nos meios digitais e conseguir, assim, como que magicamente, a libertação de um “discurso dominante”. Entender a Internet como um meio barato e fácil de propagação de idéias não necessariamente a formata em um diálogo polifônico: pode apenas acrescentar novas vozes à cacofonia. E apenas ocupar espaços privilegiados – estratégia desenvolvida com certo sucesso pelo EZLN e o MST – pode significar perder a riqueza criativa da configuração em rede para emular na Internet as funções da imprensa escrita ou interpretar as propostas do EZLN, por exemplo, como simples marcas do “não-global”.

É nesse sentido que se aponta para a necessidade da presença de intérpretes da realidade, de narradores que organizem o caos em um cosmos, estabelecendo pontes entre realidades estratificadas (Cf. MEDINA, 2003, passim). O exercício da mediação jornalística pode estabelecer princípios de organização no caos informativo para que o surgimento de novas vozes possa se harmonizar polifonicamente. Mas, para isso, o fazer jornalístico precisa ser vivenciado em sua plenitude, efetuando mergulhos mais profundos nas múltiplas realidades latino-americanas, e não ser apenas um exercício burocrático onde são ouvidas sempre as mesmas fontes, onde apenas os atores legitimados aprioristicamente têm voz. Não apenas o relato do mundo rural onde os camponeses surgem apenas como objeto de ações institucionais ou governamentais, mas uma narrativa que revele o sujeito do campo e também leve a ele as visões sobre a questão agrária de outras parcelas da sociedade.

Com a Internet, abrem-se possibilidades para um contato mais direto com o empirismo dos acontecimentos cuja representação simbólica se concretiza no fato jornalístico tradicional. Ao mesmo tempo, torna-se claro, com as mídias digitais, que a comunicação social não é monopólio de profissionais da comunicação. Há cada vez mais espaços para que a narrativa dos fatos seja realizada por “não jornalistas”. Espaços que são ocupados de maneira cada vez acentuada. Mas além dos necessários narradores da contemporaneidade, há o mediador que navega por estas narrativas, selecionando-as, contextualizando-as, relacionando-as, enfim organizando-as.

Na análise que fiz das mensagens sobre o EZLN e o MST (SANDANO, 2007), tanto na Internet quanto na mídia tradicional, se percebe que a mudança para uma suposta “multidirecionalidade” continua a depender da territorialidade – do local onde se fala. Enquanto aumenta a interdependência das relações globais, há simultaneamente a valorização do local, já que o contato direto pode propiciar uma experiência mais humana, abrindo espaços para a prática narrativa polifônica e polissêmica.
Abordo aqui a questão a partir de uma proposta de uma ação comunicativa – e afinal estamos falando de tecnologias da informação. Creio que isso é importante para evitarmos determinismos tecnológicos ou sociológicos. Ou seja, a tecnologia digital, per si, não vai levar a um determinado estágio político, nem o socialismo vai ser construído pelas novas vocalizações, nem a direita vai impor sua visão de mundo apenas pelo uso da Internet. No entanto, isso não significa dizer que a tecnologia é neutra. Não: ela altera a maneira como as pessoas se relacionam, como elas se comunicam e, conseqüentemente, modifica a política. Altera até mesmo a forma como entendemos o mundo. É nesse complexo jogo dialético de múltiplas relações e influências mútuas que diariamente se constrói a nova sociedade.

Nesse sentido, quando falo em mediação como uma nova forma de atuação jornalística, isso significa que não se trata de um novo paradigma do fazer jornalístico para a Internet. Trata-se de um novo fazer jornalístico para as novas e para as tradicionais mídias, que ao menos no curto prazo irão conviver. Ao invés de relatos estandardizados, nos quais se luta de todas as maneiras para acompanhar a velocidade da transmissão eletrônica, penso nas narrativas que vocalizam uma “espacialidade” e/ou temporalidade específica, onde os fatos são passíveis de serem “sentidos” empiricamente. Ao paradigma técnico da objetividade se coloca uma questão tal como já formulada por Kant: a de que se por um lado a sensibilidade sem o entendimento é cega, de outro o entendimento sem a sensibilidade é vazio.

Isso leva à dimensão da mediação como exercício de tolerância virtuosa.  Dialogar com tolerância, ou seja, praticar o dialogismo, é estar aberto à aprendizagem, criando hic et nunc as condições dinâmicas para a convivência humana. Se isso continuará a ser denominado Jornalismo e será exercido por um profissional especializado, é uma questão que permanece aberta, apesar de alguns já profetizarem a morte do jornalista. E, de fato, o poder está se afastando dos jornalistas no sentido de serem centros de controle do conhecimento público. Os cidadãos estão assumindo um papel mais ativo como agregadores, editores e criadores de suas próprias notícias. Isso não significa que não há mais a necessidade de jornalistas, mas de repensar a sua forma de atuação. Ao invés de relatores da verdade factual, mediadores de diversas verdades relacionadas à mesma realidade.

O importante a ressaltar é que intérprete é necessário para que flua o processo comunicacional e se escape das reafirmações ideológicas estanques dos intragrupos. O mediador é a figura que cria, de maneira ampla, os canais de dialogia entre cidadania e sub-cidadania, entre os grupos sociais organizados e os que (ainda) não possuem meios de vocalizar suas idéias, medos, anseios, dilemas, alegrias e problemas. E, deste modo, abre, por meio do processo de mediação, perspectivas de relações sociais intragrupais, como as que urgem ser estabelecidas entre a sociedade urbana e a rural, entre os que percorrem o espaço globalizado na temporalidade do instantâneo e os que vivenciam a temporalidade dos ciclos naturais em um espaço geograficamente definido.

Referências bibliográficas

BARABÁSI, Albert-László, BONABEAU, Eric. Redes sem escala. Scientific American Brasil, São Paulo, n. 13, jun. 2003.

BIDDLE, Peter, ENGLAND, Paul, PEINADO, Marcus, e WILLMAN, Bryan. The Darknet an the Future of Content Distribution. Seattle: Microsoft Corporation, 2002. Disponível em <www.quicktopic.com/18/D/drkxtY8TMZH6b.html>.

BUSTAMANTE, Enrique. Cultural industries in the Digital Age: some provisional conclusions. In Media, Culture & Society. Londres, Vol. 26(6): 803–820, 2004.

CANCLINI, Néstor García. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CASTTLES, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

CASTTLES, Manuel. A sociedade em rede, 1º volume de A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

COELHO, Cláudio Novaes Pinto, CASTRO, Valdir José de (orgs.). Comunicação e sociedade do espetáculo. São Paulo : Paulus, 2006.

EJERCITO ZAPATISTA DE LIBERACIÓN NACIONAL. Declaración de la Selva Lacandona, 1993. Disponível em <www.ezln.org/documentos/1994/199312xx.es.htm>. Acesso em mar-maio 2006.

GOHN, Maria da Glória. Mídia, Terceiro Setor e MST: impactos sobre o futuro das cidades e do campo. Petrópolis: Vozes, 2000.

KLEIN, Naomi. Sem Logo: a tirania das marcas em um planeta vendido. São Paulo: Record, 2002.

MATTA, Fernando Reyes. Democracia y Comunicación en el siglo XXI. Futuros. Filadéfia (EUA), N. 04, V. 1, La era de la información y el desarrollo sustentable, out.-dez. 2003. Disponível em <www.revistafuturos.info/futuros_4/demo_comu_1.htm>.

MEDINA, Cremilda. A arte de tecer o presente: narrativa e cotidiano. São Paulo: Summus Editorial, 2003.

MEDINA, Cremilda. Caminhos e descaminhos da reportagem ensaio. In Caminhos do saber plural. São Paulo: ECA/USP, 1999.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Millennium Development Goals Indicators: the official United nations site for the MDG indicators. Disponível em <http://mdgs.un.org/unsd/mdg/default.aspx>. Acesso em jul. 2006.

ORTIZ, Pedro Henrique Falco. [email protected] on-line: uma análise sobre o EZLN e o conflito em Chiapas, sua presença na Internet e a cobertura da imprensa mexicana, argentina e brasileira. São Paulo: Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo, 1997.

SANDANO, Carlos Eduardo. A mediação na era da reprodutibilidade em rede: análise da cobertura jornalística sobre o MST e o EZLN nos jornais impressos e na Internet. São Paulo: Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo, 2007.

THE STATE OF THE NEWS MEDIA 2006: an annual report on american journalism. Produzido por Project for Excellence in Journalism, Washington, 2006. Disponível em <www.stateofthemedia.org/2006/narrative_daymedia_intro.asp?media=2>.

WOLF, Mauro. Teorias das Comunicações de Massa. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Notas

  1. Não há, por exemplo, uma tecnologia que impeça de modo seguro a reprodução digital não autorizada. Biddle et al demonstraram a impossibilidade de se inibir as redes de distribuição usadas para trocas de arquivos digitais (principalmente as redes P2P, chamadas pelos os autores de Darknet). Segundo estes pesquisadores, há um único componente da infra-estrutura destas redes que pode ser atacado: seu banco de dados. Mas, afirmam, os demais elementos da darknet serão incrementados não apenas pelo desenvolvimento tecnológico, como também pela possível integração da criptografia. Cf. BIDDLE et al, 2002.
  2. É apenas no final de 1994, no dia 20 de dezembro, que a Embratel inicia testes experimentais no Brasil para serviço de Internet, até então vinculada à Rede Nacional de Pesquisa. No México, a MEXNET, organização ligada a instituições acadêmicas, inicia suas atividades em 1992, construindo um backbone e iniciando a difusão da cultura de redes. Em 1994, o México contava com 150 endereços IP. Em 1996, eram 2.618 os domínios “.mx” (Cf. www.isocmex.org.mx).
  3. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) surge nos anos 80 em um processo decorrente da transformação do campo brasileiro na década anterior. 
  4. A revista Veja, em sua edição de 23 de abril de 1997, registra que Brasília “serviu de palco para uma manifestação, de 40.000 pessoas, que contava com simpatias generalizadas”.
  5. “Durante o mês de abril de 1997, o MST teve 163 manchetes noticiadas em um único jornal brasileiro de circulação nacional, a Folha de S.Paulo. Ele ocupou todos os dias a primeira página do jornal e foi a manchete principal durante quase 15 dias [...] As duas principais revistas semanais, Veja e IstoÉ, dedicaram à marcha grandes reportagens e o MST foi capa das duas revistas". Cf. GOHN p. 138.
  6. ZUCKER, H. The Variable Nature of Mass Media Influence, 1978, in Ruben, B. (ed.), Communication Yearbook, 2, New Brunswick, p. 225-240.

Trabalho apresentado no II Seminário Comunicação na Sociedade do Espetáculo, realizado nos dias 5 e 6 de outubro de 2007, na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo.
 
Document Actions
Carlos Sandano é jornalista profissional desde 1992, com passagens pela Folha de S.Paulo, Editora Abril e Gazeta Mercantil, entre outros. É pós graduado em teorias e técnicas da comunicação pela Faculdade Cásper Líbero e mestre pelo Programa de Pós-graduação em Integração da América Latina da Universidade de São Paulo. É diretor da Pluricom Comunicação Integrada.

Contato: [email protected]
</P
O Fórum Pluricom é um espaço aberto, onde a pluralidade de idéias é um de seus componentes fundamentais. As opiniões aqui expressas são de total responsabilidade de seus autores, não recebendo por parte da Pluricom nenhuma edição ou acréscimo.

pluricom_fb

cadastre-se.gif

Twitter Pluricom